A herança no canto dos Canários Waterlagers Malinois

Timbrados, Malinois, Harz ou flauta

Moderador: Armando Moreira

A herança no canto dos Canários Waterlagers Malinois

Mensagempor luis gomes » terça, 11/ago/2015, 11:49

A herança no canto dos Canários Waterlagers Malinois




Sempre se insistiu que uma perfeita saúde é uma condição e capital para obter uma boa qualidade de canto, além de outros fatores que também tem influência sobre essa mesma qualidade.

1- A influencia do meio ou entorno

2- A estrutura hereditária do órgão vocal

3- A predisposição hereditária para o canto

A influencia do meio ou entorno

Devemos entender como influência do meio ou entorno no que diz respeito ao canto, em primeiro lugar um professor ou maestro de canto apropriado (som ambiente) depois a época o lugar e as circunstancias em que o nosso professor deverá jugar o seu papel.

O maestro-professor apropriado ao canto para os nossos jovens

Para compreender a necessidade de ter á disposição um maestro-cantor ou professor apropriado, é necessário que tenha-mos a ideia clara e nítida do canto que queremos obter ou cultivar, nos nossos jovens exemplares. Assim como a maneira com a que queremos alcançar o nosso objetivo.

Se criarmos o nosso plantel com esta ideia clara e precisa do canto que pretender-mos obter, teremos de dispor do material adequado. No que respeita aos machos que estes possuam as melhores qualidades de canto. Nas fêmeas que procedam também de bons cantores.

Deduzimos e como resultado, que o pai que possua as qualidades de um maestro-cantor, é o mais indicado para professor dos seus próprios filhos, já que desejamos ter um bom canto que melhor que o seu próprio canto, fruto da nossa seleção para a criação.

Outro objetivo que devemos ter em conta é conseguir a harmonia no canto dos nossos jovens exemplares, assim se estes têm como professor o seu próprio pai, o canto que este lhe transmite ou ensina terá a mesma direção.

Efetivamente devemos estudar a possibilidade de que os nossos jovens canários aprendam a cantar no mesmo sentido, em harmonia, e o melhor que podemos fazer é conseguir um maestro-cantor que possua o mesmos órgão-vocal similar, e onde o poderemos encontrar? A resposta é simples, no próprio pai, tio familiar direto que mais facilmente tenha essa órgão vocal hereditário. Mas o pai é o professor ideal para os filhos.

De estas últimas linhas levantem-se automaticamente uma serie de questões e pormenores que devemos evitar pois podem danificar a qualidade do canto.

Se por adversidades somos impedidos de utilizar o pai como maestro-professor, devemos evitar a todo custo um outro que a direção de canto seja totalmente diferente á que possuam os nossos jovens aprendizes. Iriamos a exigir algo aos nossos exemplares que não lhes era inato, chegariam a dar um canto que nem uma coisa nem outra. A audição de meios artificiais, com misturas podem dar giros e frases negativas, ruídos de máquinas, motores, portas etc. implicam a cópia de notas como riet-riet- piep-piep.

Época, lugar e circunstâncias de as lições de canto

O desejo de cantar surge imediatamente após a muda, geralmente a meio do mês de setembro aparecem os primeiros ensaios do canto, conhecida como canção plástica. É neste momento quando os nossos jovens cantores devem ser ajudados nos seus esforços, já falamos que o melhor professor será o próprio pai. Vamos ao encontro do fator hereditário pela implicação do canto pai-professor.

Enjaulamos os machos em gaiolas individuais de canto e as colocamos por sua vez no armário-escola, este armário se fechará pelo meio de uma cortina que se desliza por uma barra, este sistema é melhor que portas. Todas estas particularidades têm a sua razão de ser e importância para obter um canto de boa qualidade, se assim não fosse o melhor que faríamos era colocar todos os pássaros em grandes voadeiras com boa ventilação e luminosidade, onde seguramente desenvolviam uma melhor forma. Mas estamos a falar e trabalhamos com canários de canto, é precisamente as qualidades de canto as que devemos selecionar e melhorar.

Devemos tomar atenção a:

Enjaular cada canário numa gaiola individual de canto, estas por sua vez devem estar separadas entre elas com folhas de madeira ou cartão com fim de eliminar jogos e lutas entre eles. Que estejam virados para o professor de tal forma que permita que cada um possa escutar e imitar o canto do maestro. Fechar o armário-escola através da cortina, já que se utilizasse-mos portas careciam de a renovação de ar viciado pobre em oxigénio.

Temos de ter em conta que baixo a influencia do meio ou entorno (influencia do maestro-cantor) o canário é capaz de aprender e imitar alguns giros ou frases sem que estes sejam hereditários para a geração seguinte. Por outras palavras uma frase ou giro aprendido, mas que não pertença á direção de canto em questão, desaparece ao mesmo tempo que o canário tenha aprendido a cantar esse giro.

A estrutura hereditária do órgão vocal

Estudos de anatomia realizados por profissionais de constatada reputação afirmam entre outras coisas, que a estrutura do órgão respiratório, assim como a estrutura da siringe em particular, permite ao canário imitir um canto especial, em outros estudos especificam que as estruturas de esses órgãos é hereditária, estes dois pontos são uma indicação científica de grande importância.

Efetivamente, os canários estão dotados de um órgão vocal excecional, a siringe é como um minúsculo órgão, formada por membranas delicadamente articuladas, funciona pelo o deslocamento do ar que o canário tem em reserva, não só nos pulmões como também nos sacos aéreos que estão em comunicação direta com os mesmos, este ar empurra as membranas por meio de pequenos músculos e assim o canário é capaz de reproduzir nota, vibrações, melodias etc.

Por outra parte pode-nos interessar a forma ou maneira com a qual o pássaro está em condições de servir-se de esse órgão vocal, neste sentido e sempre que se exclui tanto a possibilidade de controlar com a vista a estrutura de este órgão como o facto de deduzir as suas capacidades, sim que podemos ter uma certeza na qual podemos basear-nos: Se um canário emite um canto de qualidade, isto prova também que a estrutura hereditária do órgão vocal que o produz está muito bem formada; Embora devemos ter presente que dita estrutura bem formada de um órgão-vocal nem sempre é uma garantia para obter um canto de qualidade, existem outros fatores como a importância do maestro-cantor, a predisposição hereditária para o canto, e o mais importante a saúde do pássaro em questão, todos estes fatores jogam um papel importante.

Como se compreende todo o sistema vocal está composto de várias subdivisões, tal que a estrutura de as mesmas devem responder a certas exigências, como as combinações possíveis de estas partes secundárias, concluímos que a estrutura é a responsável de a diferença de tom, a forma, a altura, ritmo, a direção do canto e claro depois o valor de esse mesmo canto.

Se queremos fazer uma comparação podemos dizer que cada pássaro de forma individual pode-se considerar como um instrumento musical diferente, construído e dotado com umas determinadas características e que a sua utilização difere em função das capacidades e possibilidades de quem o utiliza. É difícil mais bem impossível de seguir critérios bem definidos no que respeita á herança da estrutura dos órgãos-vocais, as variações que existem são enormes e incontroláveis á primeira vista.

Mas sabemos com certeza que;

Um canto perfeito equivale a uma boa estrutura do órgão-vocal, Esta estrutura é hereditária Esta estrutura pode determinar uma uniformidade no canto, uma harmonia, que é igualmente hereditária.

Atendendo a uma certa coerência para realizar-se cruzamentos de canários que possuam uma boa harmonia no canto pode-se apesar de tudo prever alguma coisa, assim como já falamos podemos examinar várias e diferentes alternativas para os cruzamentos e os resultados que se possam obter.

Representemos a qualidade “boa estrutura do órgão vocal” pela letra “S” um canário de procedência direta (homozigótico) com uma boa estrutura se formulara por “SS” (dominante) da mesma forma um canário de estrutura inconveniente se formulará por “ss” (recessivo) já podemos realizar os seguintes cruzamentos.

1- Órgão vocal de boa estrutura em ambos componentes do casal de progenitores

SS x SS

Atendendo á lei da uniformidade obteremos como resultado na geração filial F1, um 100% de exemplares com boa estrutura do órgão-vocal.

2- Ambos componentes do casal com uma estrutura inconveniente do órgão –vocal

ss x ss

Seguindo o mesmo raciocínio obteremos uma geração filial F1 com 100% de exemplares com estrutura vocal inconveniente

Agora um outro cruzamento um componente do casal com boa estrutura e o outro não.

SS x ss

Em este caso os resultados não se podem estabelecer com certeza já que devemos ter em conta.

Uma vezes o carater dominante, outras o carater recessivo, e outras o carater intermedio. De cada elemento secundário que constitui o sistema vocal e respiratório de cada pássaro, juntemos em cada membro do casal progenitor uma diferença na direção de canto, então é o caos nas possíveis combinações e vai elevar-se até ao infinito.

A experiencia demostra que a cria de maus cantores é infinitamente mais fácil e menos aleatória que a cria de cantores de boa qualidade. A menor divergência respeito ao caminho a seguir, a menor negligencia na atenção a tudo que diga respeito á seleção e cruzamentos dentro do nosso plantel, nos conduzirá inevitavelmente á obtenção de exemplares de pouca qualidade e canto defetuoso. Sem duvida podemos afirmar no canto que as más qualidades dominam as boas.

Predisposição hereditária para o canto

A predisposição hereditária para o canto, pode-se comparar com respeito ao homem com a vocação, o amor, as possibilidades, a preferência e o gosto que se manifesta por uma profissão, um desporto, ou um hobby, por outra parte todas estas qualidades são as que temos de detetar na juventude, para determinar a direção que tomar na vida no futuro, pensamos aqui na organização profissional.

Igualmente que sucede no homem e afinal de contas somos animais ao mais alto grau mas animais, acontece o mesmo com qualquer animal e em particular com o nosso pássaro de canto, quando este não possui nenhuma predisposição para o canto, nunca poderá chegar a ser um cantor de qualidade, nem que tenha e disponha de uma estrutura do órgão-vocal muito boa, de um professor de canto adaptado, de uma saúde perfeita. A predisposição para o canto manifesta-se, não só pelo amor ao canto, como pela aptidão de cantar bem, já que um cantor de classe compõe e interpreta a canção ao mesmo tempo.

Anatomistas constatados o expressam da seguinte maneira; A predisposição para o canto é hereditária. Os canários estão dotados de uma inteligência hereditária para o canto. Desde este ponto de vista, possuem um conhecimento e aptitudes notáveis de que eles manifestam uma certa vontade e amor pelo seu canto. Assim pois dispomos de uma nova e preciosa indicação sensata, e com a que podemos deduzir teorias que se podem justificar.

Por outra parte, a solução mais adequada e eficaz para determinar uma qualidade que se transmita á geração seguinte, o bem que seja dominante, recessiva, intermedia ou ligada ao sexo, é a investigação familiar, assim os criadores de canários de canto podem, cada um para si mesmo, controlar o comportamento de uma determinada qualidade, nos ascendentes e descendentes dos seus exemplares, e deduzir uma regra de conduta.

Este tipo de investigações já se realizaram, e como certo cuidado no que se refere a seres humanos, entre elas podemos destacar a “predisposição musical” na família do famoso compositor Juan Sebastian Bach. Os resultados da mesma foram muito interessantes e com indicações no que respeita á herança de esta “predisposição musical” o estudo de cinco gerações encontraram-se muito pouca exceções que não mostravam esta predisposição musical, e em linhas ascendentes e descendentes entre os membros de esta família não existia nenhuma exceção.

Assim com esta perspetiva temos a informação quase certa sobre os aspetos hereditários da predisposição para a música. Por outra parte afirmar que esta predisposição é dominante ou recessiva é ir demasiado longe nas conclusões. Efetivamente existem ainda demasiados fatores que podem influir sobre a qualidade do canto do canário que não são controláveis de forma auditiva, alem das demasiadas exigências necessárias para adquirir um canto de qualidade.

Podemos tomar como referência a seguinte afirmação; Um bom canto implica a possibilidade, a capacidade e o gosto pelo mesmo em duas palavras predisposição para o canto.

Cruzamentos

Se representar-mos a predisposição para o canto por PR (dominante) e a ausência desta por pr (recessivo) temos os seguintes cruzamentos

1- Ambos progenitores com boa predisposição para o canto

PR x PR

Atendendo á lei da uniformidade obtemos como resultado na geração filial F1 100% com a qualidade predisposição para o canto.

Progenitores sem esta predisposição

pr x pr

Seguindo o mesmo principio obtemos como resultado na geração filial F1 100% ausência da predisposição para o canto.

Um progenitor com predisposição para o canto e outro com a ausência desta



PR x pr

Neste cruzamento os resultados na geração filial F1 são difíceis de determinar, teoricamente, estes resultados deveriam ser os seguintes:

25% de exemplares com predisposição para o canto PR

50% com aptitudes mas sem certeza, pela predisposição para o canto de procedência indireta, PR. pr

25% de exemplares sem predisposição pr pr

Recordemos que existem ainda muitos outros fatores procedente de os progenitores que podem influir na qualidade do canto, a predisposição do canto por si só não é suficiente, parece supérfluo frisar de novo toda a gama de condições que têm influencia no canto.

As diversas direções de canto

Em consonância com as exposições anteriores devemos frisar o facto de que o canto do canário seguirá sempre uma direção determinada, visto que esta direção é de capital importância para o estudo da herança do canto, e ainda que esta não é suficientemente conhecida, será necessário fazer um exame profundo da mesma.

Seria um grave erro supor e exigir que um canário emita todos os giros conhecidos e todos os giros possíveis. Efetivamente os giros que emite regularmente e de forma correta estão geralmente emparentados uns com os outros e orientam-se na mesma direção de canto. Esta afinidade nos giros tem a sua explicação na estrutura especial do órgão-vocal, já que está construída e sincronizada de tal forma que é capaz de reproduzir sons e giros que se apresentam com aspeto comum e similar.

O referido é algo normal, já que se permite a comparação. Com um saxofone é impossível produzir musica de um piano. Não se supõe que a voz de um tenor seja capaz como uma voz de soprano.

Por analogia, duas qualidades hereditárias de carater diferente, não podem de nenhuma maneira desenvolver-se simultaneamente no mesmo ser vivo, perante esta afirmação haverá pessoas inclinadas a citar exceções que acontecem na cria dos seus canários, então poderemos responder que as exceções confirmam a regra e que provavelmente neste caso durante o ensino (escola)A direção de canto não se teve em conta A harmonia do canto foi descuidada Perdeu-se o desenvolvimento normal e natural do canto.

A intenção de criar canários que reproduzem todos os giros ou frases é uma utopia, não á que perder de vista o facto de que um canário rico em giros, será sempre pobre em giros de qualidade, não esquecer que a qualidade primará sempre sobre a quantidade.

Por tanto quais são os direções de canto que se podem seguir nos canários? A este respeito podemos distinguir fundamentalmente duas direções de canto em particular.

O canto de som oco ( seco, sem fundo de agua)

O canto de som aquoso (molhado com jogo de agua )

Estas duas direções de canto devem estar sempre separadas uma da outra e não é necessário tratar de cruzar-lhas. Para conseguir uma harmonia no canto, um canto natural e de boa qualidade e adaptado á estrutura do órgão vocal do canário devemos limitar-nos exclusivamente a uma direção ou a outra, mas precisamente como distinguir-lhas? Vamos ver

O canto oco Em primeiro lugar, não tem jogo de água ou todo som aquoso em qualquer giro. Os sons emitidos são geralmente de uma tonalidade Ouca e profunda como saído de um túnel ou de um balde

O canto aquoso (molhado) Inclui em qualquer caso todos os giros “molhados” isto é sons de natureza aquosa junto a estes sons existem os mais duros mas com o seu próprio encanto por exemplo os sons metálicos. Os sons com as vocais “O” e “OU” normalmente estão seguidos de uma “i” e ás vezes com a audição da consoante “l” . os sons i, u, é, ê, são os mais frequentes . um canto de som aquoso apresenta-se de formas muito diversas.
luis gomes
 
Mensagens: 24
Registado: sexta, 27/nov/2009, 21:23

Voltar para Canários de Canto

Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante